Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sol em mi(m)

Sol em mi(m)

20
Abr21

Quando tudo já foi dito...

gaivotazul

... nada mais há a acrescentar! E um Pouco de Céu é tudo quanto parece bastar...

 

Só hoje senti
Que o rumo a seguir
Levava pra longe
Senti que este chão
Já não tinha espaço
Pra tudo o que foge
Não sei o motivo pra ir
Só sei que não posso ficar
Não sei o que vem a seguir
Mas quero procurar

E hoje deixei
De tentar erguer
Os planos de sempre
Aqueles que são
Pra outro amanhã
Que há-de ser diferente
Não quero levar o que dei
Talvez nem sequer o que é meu
É que hoje parece bastar
Um pouco de céu
Um pouco de céu

Só hoje esperei
Já sem desespero
Que a noite caísse
Nenhuma palavra
Foi hoje diferente
Do que já se disse
E há qualquer coisa a nascer
Bem dentro no fundo de mim
E há uma força a vencer
Qualquer outro fim

Não quero levar o que dei
Talvez nem sequer o que é meu
É que hoje parece bastar
Um pouco de céu
Um pouco de céu 

                          Um Pouco de Céu, Mafalda Veiga

19
Abr21

It's never over...

gaivotazul

"Maybe I'm too young (...) Too young to hold on and too old to just break free and run"

E neste impasse revejo tudo o que foi e já não é mais, tudo o que poderia ter sido e nunca foi.

A doce ilusão que nos alimenta e nos impulsiona, a esperança que esmorece mas não morre.

"It's never over"

07
Abr21

What is it that you want from me?

gaivotazul

Talvez já tivesse dele ouvido falar. Talvez soubesse até uma ou duas das suas músicas entoar.

Conhecia-o sem o conhecer.

Naquele Verão interiorizei o seu álbum, de uma ponta à outra. Apropriei-me das suas letras como se fossem minhas. Sentia vibrar em mim cada acorde arrancado daquelas cordas. Se choravam, eu chorava com elas. Se acalentavam sonhos e esperanças, eu sonhava junto e esperança era o meu nome.

Todas as suas faixas era escutadas em modo sequencial. Como se de um livro se tratasse, cada faixa um novo capítulo. Avançar, saltando capítulos, seria comprometer o resultado final da obra e o seu entendimento. 

Quando todos saíam, o espaço outrora repleto de vozes, risos e do tilintar copos e talheres, despia-se do dia e ganhava nova roupagem. Convertia-se então numa imensa sala de espetáculos onde os mais inesquecíveis concertos privados tinham lugar. À medida que no volume da aparelhagem aumentava os décibeis, a noite instalava-se e nós podíamo-nos demorar.

Esta é apenas uma de catorze faixas a que gosto de voltar. São setenta minutos de puro deleite de um álbum, quanto a mim, intemporal (Ballads & Blues 1982 -1994).  Como intemporal é, e será sempre, o seu compositor. Que questionou e me faz questionar: "what is it that you want from me?"

 

 

Mais sobre mim

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub